sábado, novembro 17, 2007

A Expansão Urbanística de Santo André

Resultados do Inquérito online (ver post de 11/Nov/06)
( período de consulta: 11/2006 a 11/2007)


Pergunta: Deverão os limites da Reserva Natural ser alterados para possibilitar a expansão da Cidade de Santo André?



Interpretação dos Resultados:

A análise do Gráfico 1 indica-nos que 74% (45% + 29%) dos votantes são contra a alteração dos limites da Reserva Natural. A opção que registou mais votos (87) defende que, para além da manutenção do actual perímetro da Reserva Natural, deveriam ser levantadas algumas interdições para possibilitar o desenvolvimento de actividades turísticas de qualidade. A escolha desta opção de resposta indica, simultaneamente, que o perímetro da Reserva deve permanecer intacto, mas isso não invalida que não se aproveitem os recursos existentes para estimular o turismo de qualidade na região. Não é só a Expansão Urbanística de Santo André que é importante. A Reserva Natural é, assim, encarada como sendo um potencial factor catalisador do desenvolvimento turístico do Concelho.



A abertura da Reserva Natural a projectos turísticos de qualidade, cujos requisitos ambientais a cumprir seriam (?) definidos/controlados pelo próprio Instituto de Conservação da Natureza e da Biodiversidade (ICNB), poderia ser uma solução para aumentar os escassos recursos que actualmente existem para gerir a Reserva. Nos anos de 2005 e 2006 o orçamento disponível foi de 219 mil Euros e 166 mil Euros, respectivamente. No ano de 2007, e por força dos cortes orçamentais impostos pelo Governo, esse orçamento desceu para metade (76 mil Euros). Esta opção poderia, assim, originar um novo Modelo de Gestão mais apropriado para a Reserva. Com base no dinheiro proveniente do Orçamento de Estado, bem como das rendas que os hipotéticos promotores turísticos teriam que pagar, passaria a existir um maior “bolo” financeiro para aplicar em acções de limpeza/conservação. Basta fazer um passeio pelos pinhais e pelas praias para visualizarmos os resultados negativos (ex: lixo e falta de lugares de estacionamento) da falta de recursos financeiros disponíveis para a manutenção desta área protegida. Um acréscimo orçamental iria certamente ter resultados mais visíveis e positivos na preservação da Reserva Natural.



No novo Plano de Ordenamento da Reserva Natural (Resolução do Conselho de Ministros n.º 117/2007 +info), mais concretamente no artigo 36.º, está previsto o aproveitamento dos recursos imobiliários existentes para fins de turismo de natureza. Não vão ser edificadas novas construções. Opta-se pela valorização e recuperação do património edificado existente para utilizações relacionadas, entre outras, com o turismo de natureza. Não faz qualquer sentido existirem montes abandonados, quando estes podem ser recuperados e aproveitados pelo sector privado para estimular o turismo de qualidade na região. Resta aguardar para verificar se esta alteração irá de facto trazer consequências benéficas para o turismo e para a Gestão da Reserva Natural.

... prosseguindo ...

A restante análise dos dados indica que 26% dos utilizadores são favoráveis a uma alteração dos limites da Reserva para possibilitar a expansão da Cidade para o litoral. Numa perspectiva de curso prazo, esta opção até poderia ser uma solução eficaz para um desenvolvimento mais acelerado da Cidade. Santo André seria uma cidade mais “encantadora” se tivesse, à semelhança de Sines, uma marginal de onde pudéssemos observar o mar confortavelmente sentados no nosso carro. Poderíamos comer os nossos petiscos numa bela esplanada e, simultaneamente, sentir a brisa do mar. A Cidade seria mais atractiva e acolhedora ... sem dúvida ... mas o resultado final desta equação seria manifestamente negativo para a Natureza. Esta seria uma solução que só iria impulsionar o “vírus do betão”. A Natureza e o Homem têm que estar ao mesmo nível, e a expansão da Cidade para o litoral só iria beneficiar o Homem. O desenvolvimento sustentado pressupõe um equilíbrio entre o Homem e a Natureza. Este é o futuro ... e é este o caminho que Santo André deve percorrer ... ;-)

Em jeito de conclusão...

O tema da “Expansão Urbanística de Santo André” foi abordado numa perspectiva a longo prazo (15 anos). Todavia, e apesar de ter sido este o fio condutor de todo o Fórum, este facto não secundariza o tema do Planeamento Urbano no tempo presente. Antes pelo contrário, e como a maioria dos comentários sugerem, o Planeamento Urbanístico de Santo André deve ser uma prioridade na actual gestão da Cidade.

Por tudo aquilo que foi referido, Santo André tem todas as condições para, num futuro a 20 anos, ser encarada como um exemplo de uma Cidade que soube crescer em perfeita harmonia com o meio ambiente. Uma Cidade que soube preservar a qualidade de vida da sua população sem danificar a Natureza. Enfim ... uma Cidade do Futuro ...

Por último, gostaria de deixar aqui uma palavra de apreço a todos aqueles que aderiram a esta iniciativa.

4 comentários:

gato das botas disse...

Boas
bem so hj é que descobri o blog :p
penso que deve ser mais divulgado

bem no que toca ao assunto da expansão urbanistica penso que a nossa pequena grande cidade ainda pode crescer bastante sem colocar em risco a reserva natural, em vez de crescer parao lado do mar basta nos crescer para o interior.
Temos que defender esta zona da faixa litoral desde a fabulosa Costa de Santo André ao à praia da Fonte do Curtiço

parabens pelo blog

Alex disse...

É verdade! O eco-turismo por vezes é divulgado de maneira a se poder construir em áreas de reserva ecológica! Atenção a este pormenor! Não nos podemos iludir! temos é de preservar esta faixa litoral!

Anónimo disse...

Estou em Lx a trabalhar, e vou muitas vezes a santo andré ver a familia e amigos.
Adorei este blog, ver as fotos e aprender coisas que não sabia da nossa linda terra.
E para quando mais novidades?
Continuação do bom trabalho!
MG

Assunção Ferreira disse...

Um blog que desconhecia por completo mas muito bem feito, bem arrumadinho, cores alegres, links de interesse, notícias actuais, temas importantes...parabéns a quem o fez.