quinta-feira, julho 20, 2006

A História da Cidade Nova de Santo André

1. O Projecto de Sines


No período de 1969 a 1973 o poder central lançou o IV Plano de Fomento, através do qual se projectava a construção de infra-estruturas em áreas de interesse económico, no seio das quais nasceriam novas cidades e parques industriais necessários ao desenvolvimento do país. Neste contexto, surge o chamado “Projecto de Sines”, que representou a primeira tentativa de criar um pólo industrial em Portugal.




O Porto de Sines encontrava-se numa posição estratégica, pois era o centro de todas as rotas marítimas. A vantagem geoestratégica da costa portuguesa era evidente. O Porto de Sines, concebido dentro da rota do Cabo e na continuação do fecho do Canal de Suez, tinha todas as condições para fazer a ligação da indústria de refinação e petroquímica à economia petrolífera mundial (ver mapa das rotas marítimas).

O Porto de Sines no Google Maps: Clique Aqui


1.1 O Gabinete da Área de Sines

Face à dimensão do Projecto, impunha-se a criação de um organismo que transcendesse a orgânica e a capacidade dos serviços normais da administração pública, e que fosse dotado de personalidade jurídica e autonomia administrativa e financeira. A 19 de Junho de 1971, e com a publicação do Decreto-Lei nº 270/71, Marcello Caetano cria o instituto público que iria implementar e gerir o Projecto de Sines. Esse organismo designou-se por Gabinete da Área de Sines (GAS) e possuía autoridade decisiva para determinar as actividades económicas da área de Sines, tendo acesso directo ao Presidente do Conselho, o que garantia a sua autonomia em relação a outros ministérios.


1.2 ... os anos difíceis

Ao fim de poucos anos de vida do Projecto de Sines, os pressupostos que presidiram à sua criação sofreram uma profunda alteração. Em 1973, com a guerra do Yom Kippur, surge a grande crise do petróleo, o que dá origem à modificação da conjuntura internacional. O preço do crude aumenta quatro vezes e a rentabilidade da refinaria é posta em causa. A reabertura do Canal de Suez acentua o problema, pois contribuiu para tornar obsoletos os grandes petroleiros que o complexo de Sines estava preparado para receber.

O Complexo Industrial de Sines vivia uma autêntica travessia do deserto, com a procura internacional praticamente nula e as empresas em instabilidade permanente. Com a construção da central de carvão em São Torpes (1979/80) e a não vinda da Ford, o GAS deixara de ter “trabalho para fazer”. Não fazia sentido que uma estrutura com cerca de 1000 trabalhadores não tivesse objectivos a cumprir.

Após 17 anos de exercício de funções o Gabinete da Área de Sines viria a ser formalmente extinto em 1989 com a publicação do Decreto-Lei 228/89.

4 comentários:

Anónimo disse...

O gas foi extinto em 1986. Pelo menos foi decidida a sua extinção nesse ano!

Berto disse...

Agradeço à pessoa que colocou o comentário anterior. De facto, a informação que coloquei anteriormente não estava correcta.

O processo de extinção do GAS iniciou-se em 1986, mas o seu encerramento formal aconteceu com a publicação do DL 228/89 de 17/Julho.

manfredi disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.
Anónimo disse...

Merda de Vila. É só drogados...