terça-feira, agosto 05, 2008

Regeneração Urbana de Santo André

“Uma Nova Visão para a Cidade de Santo André”, é este o principal objectivo da candidatura ao Programa Integrado de Qualificação Urbana de Vila Nova de Santo André, integrado no instrumento de política “Parcerias para a Regeneração Urbana”, decorrente da nova Política de Cidades Polis XXI.

Um programa co-financiado através de recursos do Fundo Europeu de desenvolvimento Regional (FEDER) ao abrigo do Programa Operacional Regional do Alentejo.
A candidatura liderada pela Câmara Municipal de Santiago do Cacém foi entregue no passado dia 28, e de acordo com o Presidente da Autarquia, Vítor Proença, “vamos aguardar serenamente a aprovação, que será feita em Outubro, porque esta candidatura está muito bem fundamentada com fortes parcerias e tem todas as condições para ser materializada”.


O projecto envolve um montante global de 10 milhões de euros, 17 % comparticipados pela autarquia, 70 % com financiamento comunitário e o restante com financiamento privado.

O Programa Integrado de Qualificação Urbana de Vila Nova de Santo André, representa o primeiro instrumento de planeamento integrado de que a cidade de Santo André dispõe desde que o Gabinete da Área de Sines (GAS) foi extinto, no final dos anos 80, sendo por isso encarado como estruturante e decisivo para a consolidação da sua trajectória recente de evolução e para a definição de novos rumos e desafios de desenvolvimento.

Inscrição Espacial das Operações em Santo André
(Clique na imagem p/ + detalhe)
A Cidade de Santo André deve a sua génese à decisão que o Estado português tomou no início da década de 70 do século XX no sentido de avançar com a construção de um complexo industrial e portuário em Sines. Esta decisão é ainda hoje vista como um marco incontornável na história do planeamento económico e territorial em Portugal.

Tabela de Investimentos
(Clique na imagem p/ + detalhe)
O facto de se tratar de uma cidade criada de raiz confere desde logo um carácter único a Santo André no contexto do sistema urbano regional e mesmo nacional, o que é fortemente matizado pela expressão assumida pela aplicação prática dos princípios do Modernismo na sua concepção urbanística.

A notícia na integra: Clique
aqui

Fontes:
http://radiosines.com & www.cm-santiago-do-cacem.pt


10 comentários:

Anónimo disse...

Ai o voto que anda por aí!

Berto disse...

Caro “anónimo” ... queira ser mais clarificador na sua mensagem!

O post que coloquei foi retirado de uma notícia da rádio Sines. Se consultar o post colocado a 19/Abril/08 verá que este assunto é, na minha perspectiva, bastante importante para a Cidade de Santo André.

A colocação desta notícia da Rádio Sines teve como propósito obter opiniões sobre quais deveriam ser as prioridades desta “Regeneração”, por exemplo, que bairros deveriam ser prioritariamente alvo de obras de requalificação urbana, etc.

Neste sentido, gostaria que o caro “anónimo” coloca-se a sua opinião sobre este tema.

Cumprimentos,
Berto

Espaço do João disse...

Embora não pertença à força política que governa Santo andré , estou completamente de acordo com a requalificação de Santo André. No entanto discordo com a paternidade da Cidade de Santiago sobre Santo André. Senão vejamos:- Santo André não tem uma junta de freguesia mas sim uma delegação já que sua sede fica situada na Aldeia com o mesmo nome. Tem um pólo universitário que não existe outro no conselho. Tem diverssões, as praias situam-se todas em Santo André, nem uma delegação municipal existe na cidade,todas as contribuições são cobradas em Santiago, é a maior freguesia do conselho em termos de eleitores, superando mesmo a sede de Conselho,a rede rodoviária tem melhor escoamento, as novas construções são feitas á volta das estruturas deixadas pelo G.A.S. deixam-se ao abandono o Parque central, não se criam novas estruturas para o seu desenvolvimento, os resíduos tóxicos continuam, os acessos ás praias é o que se vê etc.etc.etc. Vamos mas é por cobro a este poder central, pois estamos a ficar asfixiados de tantas promessas. Queremos o estatuto de cidade e, nada de paternalismos.Já somos maiores e vacinados para sabermos quem somos e, o que queremos. Ainda atrevo-me a perguntar:- Quais foram os benefícios criados de raíz pelo Município de Santiago do Cacém? Meditemos bem. Vamos unir as mãos e criar a nossa cidade à nossa vontade e, ao gosto dos nossos desejos. Muitos já se esqueceram que durante o consulado do G.A.S. a Câmara de Santiago sem qualquer pressão, recebeu esta fatia de mão beijada.

daskalos disse...

Notícia interessante......
O Berto continua a pensar que os anjos vêm do céu e fazem milagres ...
Toda a gente sabe que a "rapaziada" da C.M.S.Cacém quer sempre estar à frente para resolver! os problemas de Santo André.
Esta "luta" só acaba quando tivermos mais autonomia e resolvermos os nossos problemas em pé de igualdade com Santiago.
Dou como exemplo a "treta" do orçamento participado. Resolveram alguma coisa !
Uma nota para o João, um habitante de Santo André que tem lutado e continuará, espero que sim, para que a nossa terra deixe de ser um "satélite" de Santiago.

Anónimo disse...

Pois o que poderia ser um excelente exemplo modernista em termos de urbanismo está a tornar-se numa cidade completamente desinteressante pelo excesso de má construção. O que era um Plano urbano de referência de uma cidade criada de raiz foi e está a ser cada vez mais desconstruído pela Câmara Municipal de Santiago do Cacém. o que estava pensado para serem espaços verdes de intervalo entre bairros está a ser violentamente vendido e ocupado por monstruosos blocos de materiais duvidosos projectados por profissionais mais duvidosos ainda... Quanto a mim, a mais consciente proposta de regeneração urbana para santo andré seria aquela que planeasse a demolição de todo o edificado que não cumpriu o conceito global do plano de urbanização inicial. Expandir o limite urbano sim, cumprindo as áreas de reserva,mas não vendendo desmesuradamente qualquer "canteiro " livre que se vá encontrando vazio dentro da cidade...

Tânia disse...

Olá

Pois é parece que vamos ter uma regeneraçãozita, e ponho este diminutivo propositadamente. Alguém já olhou bem para as propostas de grande peso? São interessantes, mas não é só disso que precisamos.
Parece-me uma grande aposta politica. Será que se as eleições não tivessem ai á porta, se pensaria neste assunto. Sinceramente, não me parece. Santo André precisa de tudo o que propõem, mas não me parece que seja com finaciamentos privados. Para onde vão as nossas contribuições autarquicas?
Vou-me referir agora a um caso muito especifico, a grande aposta desta candidatura, o auditorio. Há 20 anos que se espera por ele, porque Santo André tem uma dinâmica propria neste campo. Mas um espaço privado? Que tanto pode ser construido aqui como em qualquer outra localidade? É muito bonito um espaço polivalente, e acho muito bem que estejamos abertos a todas as artes, mas é preciso que se perceba que Santo andré tem uma Mostra de Teatro e um Festival de Jazz que já se encontram no "mapa" da cultura internacional.
E se o projecto para a regeneração urbana não for aprovado? Fica tudo em águas de bacalhau.
E o Gabinete Municipal, para quando? o espaço já está vedado, mas a construção só deve começar perto das eleições, claro. Basta nos lembrarmos daquele espaço vazio junto ao intermarché. Perto das últimas eleições começaram a limpá-lo, e agora já está parado ao tempo que se vê.
Peço desculpa por esta revolta, mas como cidadã, sinto-me envergonhada por pertecer a este municipio. Já estava mais que na altura de nos governarmos a nós próprios.

Cumprimentos
Tânia Correia

Espaço do João disse...

Óh Tania.
Então não vê que as lapas estão sempre agarradas às rochas? Já reparou que todas as infra estruturas deixadas pelo G:A:S: são as que existem? Já viu alguma infraestrutura feita pelo município? Até o cemitério há tanto tempo prometido, ninguém se lembra dele.Já reparou que o caminho municipal que liga Vila Nova de Santo André até Santiago não dá direito a andar a pé? As bermas estão intransitáveis e, não é a primeira vez que acontece um caso mortal. Vamos mas é pôr esta gente na Rua, trinta e tal anos no poder já parece ditadura. Nem sequer a rua do Sol Nascente que passa em frente à casa do Ti Manuel do Tojal está arranjada até ao cemitério. E, olhe que já habitam muita gente por esses lados. Os esgotos são em fossas. Muito mais poderia salientar mas, não está nas minhas mãos resolver. Até para abater as árvores que estão a danificar os pavimentos da rua do Liceu e do Bairro Horizonte foi prometido para o mês de Maio, mas se calhar só para o ano que vem. E temos nós que pagar tudo isto, realizado pelos nossos tutores municipais. Como dizia o nosso querido Zeca Afonso, Já é hora de emalar a trouxa e zarpar.

Daskalos disse...

Será que é desta! Que ele vai embora?
Isto precisa mesmo de uma Regeneração (Revolução) por dentro.
Uma palavra para a Tânia que como ela também me sinto revoltado com tanta "palhaçada" .
Será que o povo continua a gostar de PÃO E CIRCO?

Jaime Cáceres disse...

Tenho procurado estar atento a todos os blogues regionais e em especial aqueles em que se comenta a Freguesia de Santo André.
Desde já os meus parabéns ao Berto por possibilitar a dicussão em torno de temáticas muito interessantes sobre o passado, o presente e o futuro de Vila Nova de Santo André.
Felizmente vivemos numa sociedade democrática, onde a liberdade de expressão nos permite opinar sem qualquer censura, sendo que as novas tecnologias informáticas nos facultam um poder extraordinário que devemos aproveitar.
No entanto, e porque estamos a comentar a regeneração urbana de Santo André, estou preplexo com alguns comentários aqui produzidos, aos quais, urge esclarecer e tecer igualmente alguns comentários.
A regeneração urbana das cidades insere-se no actual Quadro de Referência Estratégico Nacional (QREN) que decorre de 2007 a 2013.
Cabem neste quadro comunitário de apoio as cidades consideradas estruturantes pelo PROT e que possuam no mínimo 8000 recenseados.
Assim, esclareço desde já, que o Municipio de Santiago do Cacém, como se sabe, tem duas cidades, mas sómente Vila Nova de Santo André tem os requisitos exigidos.
Neste sentido, desde a primeira hora, houve muita vontade, quer da Câmara Municipal, quer da Junta de Freguesia de Santo André, procurar parceiros, elaborar programa de acção e candidatar a cidade de Vila Nova de santo André à regeneração urbana, o que veio a acontecer no passado dia 28 de Julho, ao primeiro aviso.
Como se pode facilmente verificar, se a apresentação da candidatura do primeiro aviso tinha o prazo de 28 de Julho, não houve qualquer intuito eleitoralista, mas sómente aquele de aproveitar importantes verbas comunitárias para regenerar, qualificar e modernizar a nossa cidade.
Dizer também que ao contrário do que é dito, a Junta de Freguesia de Santo André foi interveniente em todo este processo. Para além das propostas concretas que apresentou, o seu Presidente da Junta esteve presente em todas as reuniões, quer com o executivo e técnicos da Câmara, quer com os parceiros, quer ainda com a empresa contratada que elaborou o programa de acção.
Aliás, todos sabemos, porque não somos anjinhos, que as juntas de freguesia no nosso País são autarquias autonomas, mas infelizmente com pouca autonomia.
No caso concreto de Santo André, depois duma experiencia extremamente negativa, entre 2001 e 2005, a população de Santo André tem contado com um executivo dinâmico, que tem mais competências, mais investimento e consequentemente mais património.
Vivo em Santo André há cerca de 30 anos, nesta cidade que foi bem planeada, mas nem sempre bem executada. No entanto quero lembrar que a gestão do centro urbano é da responsabilidade da Câmara há cerca de 18 anos e não há trinta e tal, como talvez por lapso se diz.
Vila Nova de Santo André hoje tem vida própria, desenvolve-se e cresce com harmonia, tem 25 hectares de espaço verdes públicos tratados e manchas verdes arborizadas consideráveis que fazem as delicias dos residentes e daqueles que nos visitam. Paulatinamente os bairros estão a ser ligados sem grandes impactos, tendo a Câmara Municipal previligiada a construção nas "franjas" da cidade, com loteamentos de qualidade.
A CMSC e a JFSA têm a noção exacta sobre quão dificil é ver aprovada a nossa candidatura à regeneração urbana, tendo em conta que estamos a concorrer com centros urbanos de peso. No entanto tenho muita confiança na sua aprovação, considerando que se trata duma candidatura muito forte, bem estruturada e que conta com 18 parceiros da cidade.
Falar-se em "vergonha", "revolta", "reneraçãozita" e que esta candidatura "não serve Santo André", é no mínimo ilariante, quando o que está em causa é sómente um investimento na cidade de 10 milhões de euros, que a ser aprovada, vai qualificar a fundo os Bairros Atalaia, Pôr-do-Sol, Azul, bem como o Parque Central. Vai investir na operacionalidade no abastecimento de água ao Bairro da Petrogal e sistema de rega do Parque Central.
Vai criar a rede ciclável da cidade. Vai possibilitar várias valências culturais, entre elas espaços de exposições, auditório em black box, café concerto e outras, que pode criar cerca de 100 postos de trabalho. Vai possibilitar a qualificação de espaço para a Academia Sénior de Artes e Saberes. Possibilitará ainda investimentos estruturantes, nomeadamente na ciculação do trânsito, com a construção de rotundas, passagens para peões lombeadas, entre outras.
Em Outubro vamos saber a decisão da CCRA sobre a candidatura.
Até lá e depois, estou convencido que nada, nem ninguém vai parar Santo André, porque a "Revolução" está na rua.

Deste que ama e se orgulha de Santo André:

Jaime Cáceres

J. Ferreira disse...

Caros ... esta notícia é muito importante. Parece que é desta que a Câmara de Santiago vai começar a prestar mais atenção a Santo André. O actual presidente e sua equipa só têm a ganhar com essa atitude. A freguesia de Santo André tem um peso considerável nas eleições, isto porque cerca de 1 terço dos eleitores residem em Santo André. Não nos podemos esquecer também do facto de, e isto é muito importante, Santo André contribuir com uma enorme fatia dos impostos actualmente cobrados a nível municipal, por exemplo o IMI (Imposto Municipal sobre Imóveis). Santo André é a freguesia que tem registado o maior aumento de construções de novas habitações, dai ser correcto afirmar que as receitas do IMI gerado por Santo André serem as maiores. É altura do Sr Presidente prestar mais atenção a Santo André.

Apesar de não ser da mesma cor politica de quem actualmente governa a câmara, acho que devemos todos apoiar esta iniciativa e esperar que em Outubro a candidatura seja aceite. 10 milhões de euros é uma quantia considerável para recuperar alguns bairros e equipamentos debradados da cidade de Santo André.

Saudações
J. Ferreira