sexta-feira, março 27, 2009

Estacionamento abusivo em Santo André

Quando vamos a Lisboa não gostamos, certamente, de sermos forçados a utilizar as faixas de rodagem para caminhar porque os carros estacionados ocupam os passeios. O espaço é pouco e os carros são muitos. E em Santo André, uma cidade planeada e construída de raiz, será que isto acontece? Sim ... acontece! Não com tanta gravidade como em Lisboa, é certo ... mas como se justifica que numa Cidade Nova este problema ocorra?

De facto, quando Santo André começou a ser construída não foi equacionada a hipótese do número de automóveis por habitação vir um dia a ser ≥ 2. Por este motivo, existem alguns Bairros que necessitam de obras com vista à criação de mais lugares de estacionamento.

Certa noite estava à porta do Bar d'Estar (Bairro dos Serrotes), a conversar com alguns amigos, quando olhei com mais atenção e verifiquei, depois de contar com o dedo indicador, que existiam mais de 30 carros estacionados em plena via publica. Estavam mesmo à porta dos prédios. A nossa primeira reacção foi de total desaprovação. Enquanto fumávamos um cigarro e bebíamos uma cerveja ... íamos lançando para o ar vários comentários ...

- Como é que isto é possível?
- Porque não estacionam o carro dentro de casa?
- Que bom ... saio de casa ... dou 3 passos e já estou dentro do meu carro!
- Mas será que não existe estacionamento para estes carros todos?

Para responder à última questão, resolvi dar um passeio por entre os parques de estacionamento deste Bairro e constatei, de facto, que os lugares estavam todos ocupados. Assim, muitas das nossas ironias e comentários depreciativos dirigidos aos proprietários destes automóveis não faziam sentido.

Posto isto ... estamos perante um problema. A quantidade de estacionamento disponível não é suficiente para o total de carros existentes. Em consequência, os donos dos carros não tem outra alternativa senão estacionar os mesmos em plena via publica.

Soluções? Criar novos estacionamentos e promover uma cultura de responsabilidade e civismo ...

Felizmente que Santo André dispõe de “espaço” em abundância, quer este seja verde ou de cimento. O Bairro dos Serrotes, em particular, possui espaço publico em quantidade suficiente para se poder abdicar de algum. Nas estradas interiores deste Bairro seria possível recortar os passeios, uma vez que estes são de dimensões generosas, para possibilitar o estacionamento longitudinal. Como se pode verificar na imagem em baixo (ver linhas a vermelho), uma obra deste género iria permitir, em teoria, resolver grande parte do problema de estacionamento neste Bairro.

Para além deste Bairro, existem outros onde este problema ocorre, são eles: Bairro das Torres e o Bairro Atalaia Norte (Lagartixa). No mapa em baixo podemos ver sinalizadas a vermelho/azul/verde todas as zonas/ruas onde este problema acontece.


Ver mapa maior

No Bairro das Torres o problema dos estacionamento agrava-se com a chegada do Verão. Dada a existência de estabelecimentos comerciais muito procurados, os automobilistas não têm qualquer espécie de pudor em estacionar as suas viaturas nos passeios públicos, o mais próximo da esplanada do café. Andar a pé ... isso é coisa do séc. XX. Aqui o espaço é pouco e as opções para construção de novos lugares de estacionamento são escassas ... é verdade ... mas existem alternativas. Basta estacionarem na Avenida de Santiago onde existem muitos lugares, ou então que utilizem a bicicleta como meio de transporte para os dias de Verão.

No Bairro Atalaia Norte o caso é diferente. Este Bairro, aquando da sua construção, foi beneficiado ... repito beneficiado ... com ruas interiores de uso exclusivo para peões. Isso é um privilégio .... acreditem ... dispormos de espaço para circular ou para podermos brincar à vontade, se formos crianças. Estas ultimas são as mais prejudicadas. O espaço onde dantes jogavam à bola está repleto de carros mal estacionados. O sinal de sentido único (↑), do meu ponto de vista mal colocado, que existe mesmo à entrada desta rua, não deve servir de desculpa. Existe estacionamento nas redondezas e não é obrigatório ter o carro estacionado mesmo à porta de casa. Claro está que a circulação dentro do Bairro não deve ser totalmente proibida. A circulação apenas deve ser permitida para cargas e descargas e para situações de emergência.

Em suma ... o problema do estacionamento abusivo existe em Santo André, e as suas causas são diferentes consoante os Bairros. Urge adoptar medidas (criação de mais lugares de estacionamento) para corrigir esta situação, mas depende sempre do bom senso de cada um em respeitar o espaço de todos nós. Em última análise, e caso o bom senso não impere, cabe às autoridades competentes zelar pelo cumprimento das regras e, caso necessário, aplicar as respectivas coimas.

Espero que este fórum de discussão sirva para despertar a nossa atenção para este problema, e que sirva, também, para que a Câmara Municipal e Junta de Freguesia apliquem as medidas necessárias à resolução desta situação.

Termino dizendo o seguinte:

Se queremos fazer de Santo André uma Cidade modelo, onde a qualidade de vida é um dado adquirido, então temos que fazer alguns sacrifícios em prol desse objectivo. O segredo ... é o Trabalho de Equipa.

31 comentários:

Anónimo disse...

Dear Berto, subscrevo cada palavra. Eu própria já tinha observado o problema dos carros junto ao Bar d´Estar, mas devo dizer que mesmo havendo lugares junto ao antigo "Florindo" há pessoas que não sabem o que é viver em sociedade!
Parabéns pelo blog e boa sorte!!
bjs
Lena

Anónimo disse...

Parabens pela iniciativa. Eu sei do que voçê fala porque tudo se passa à minha porta. Ausência de civismo de uns, e indeferênça de outros explicam estes, e outros comportamentos. Só nos resta insistir. E pedir responsabilidades


Eduardo Guita

Anónimo disse...

Até que enfim que alguém fala deste problema. Eu moro na Lagartixa, mais precisamente na rua onde existe um sinal de sentido único, e as pessoas aproveitam para estacionar o carro mesmo à porta de casa. No Bairro dos Serrotes a situação é ainda mais vergonhosa!!
Já houve situações em que os carros ficavam bloqueados e as buzinas começavam logo de manhã a buzinar bem forte. Os passeios são dos peões e não dos carros.
É tudo uma falta de civismo e a Junta de Freguesia nada faz.
Sr Jaime ... para quando uma resolução deste problema? Gostava de saber a sua opinião. Não se esqueça que estamos em ano de eleições. Você e a sua equipa têm feito um bom trabalho, por isso espero que resolvam este problema.

Se não existe estacionamento devem construir. Se não existe civismo devem multar os infractores.

Parabéns pela iniciativa
JAMC

Anónimo disse...

Por acaso moro numa rua da nossa cidade, onde felizmente há estacionamento para todos.
Verifico no entanto que os problemas de estacionamento existem e ainda mais quando os "estrangeiros do verão" frequentam a cidade.
Por este andar, qualquer dia é necessário construir silos para estacionar em Vila Nova de Santo André !

Anónimo disse...

Concordo plenamente com o que aqui tem sido dito.
É uma total falta de civismo aquilo que se passa nestes bairros. Pode haver casos em que o estacionamento é pouco, mas é principalmente uma falta de civismo.
Acho que só com a colaboração da GNR se revolve isto. A Junta de Freguesia podia começar por colocar folhetos nos pára-brisas dos carros mal estacionados, a alertar os proprietários para o erro que estão a cometer. Se mesmo assim a pessoas insistirem na falta de civismo, então a GNR tinha que começar a intervir.
Gostava de ver os comentários que o Presidente da Junta de Freguesia tem a dizer sobre isto. Temos que zelar pela qualidade de vida de Santo André. Não podemos ser como Lisboa onde tudo é um caos.

Cumprimentos,
A. Guimarães

Anónimo disse...

Reconheço que a falta de civismo e padrões de cidadania não são regra entre os portugueses. Contudo, sobre esta matéria há dois comentários a que não resisto. 1º a falta de lugar para estacionar. Penso que falta não há. O problema é que onde podem estar 3 ou 4 estão no máximo 2, quando não 1 - atravessado de preferência. Mas reclamar mais espaço para estacionar, significa que a teoria é a da continua utilização do 2º, 3º e ou 4º carro próprio. Ou então o facto de parte dos estacionamentos (já dentro de espaço de pinhal) ser ocupado por camiões, e de transporte de matérias perigosas (combustíveis). Aqui entra o 2º comentário/preocupação que reside no facto de não nos indignarmos e exigirmos mais transporte público. Em Sto André onde a circulação se faz e muito fácilmente a pé, a maioria o faz de carro. Nem que seja ir dos serrotes aos correios, de carro. Na Holanda ou em Inglaterra o nº de carros por habitante é incomensuravelmente menor do que cá. Para não referir os Nórdicos. Aquilo que devia, do ponto de vista da qualidade de vida, ser a nossa luta - uma cidade com menos carros - passa a ser o de um lugar para estacionar. Para quando a linha de comboio para passageiros no litoral alentejano? Para quando as ligações rápidas, de transporte público, ferro ou rodoviárias entre S.A-Sines, ou S.A.-Santiago? E uma ciclovia? e transporte público entre a Costa de S.A.- Aldeia - Deixa-o-Resto - Vila Nova? Não viveríamos melhor?
E um Centro Cultural? E um Cinema? E um Parque Central vivo e dinâmico? Não serão melhores propostas? É apenas uma opinião, diversas vezes colocadas em Assembleia de Freguesia. Até agora, a resposta é a que conhecem. Ainda bem que alguém lembrou, este ano é ano de eleições. E que nas últimas o tal "Gabinete de apoio ao munícipe" era já uma certeza?
Mas parece-me bem este tipo de espaço de debate. Pelo menos, concordemos ou não, devemo-nos manifestar. Falta agora partirmos para o exigir.
João Pereira da Silva

Anónimo disse...

O amigo J. Silva não é de cá?
Tudo o que falou está correto, mas o problema é que tudo isso têm passado à margem de quem tem o "poder". Promessas meu amigo está Santo André cheio até à medula .
As pessoas continuam a votar sempre nos mesmos ( se calhar gostam de ser enganadas).
Como sabe o poder local está nas mãos das Câmaras ( quem tem o dinheiro), porque as Juntas por mais trabalho que façam é sempre o Camartelo que decide.
Para mim só à uma solução, mudem as pessoas .

Jaime Cáceres disse...

Desde já quero demonstrar o meu apreço por ser trazido à discussão o estacionamento na cidade de Vila Nova de Santo André.
Efectivamente a nossa cidade foi muito bem planeada, pelos melhores técnicos da época, mas nem sempre foi bem executada. Não se previa na época que houvesse uma média de duas viaturas por habitação. Portanto, todas as ideias que possam contribuir para a melhoria da qualidade de vida das populações, são sempre bem vindas.
Aliás, como foi dito, para resolver alguns dos muitos problemas que temos, é necessário trabalharmos em equipa. Temos que vestir a camisola de Santo André, e tendo em conta os recursos que possuímos, procurar as melhores soluções. Não me cansarei de dizer, vezes sem conta que, como um slogan que nos una: “Santo André, a afirmação natural da Freguesia, com a participação de todos”.
Mas vamos ao que interessa! Sem prejuízo de algum défice de estacionamento que existe no Bairro dos Serrotes, dos quais agradeço as soluções apontadas, existe sinalização de trânsito que não permite o estacionamento nas zonas pedonais, pelo que a autoridade (GNR), deve exercer a lei. Aliás, esta medida tem sido defendida por várias ocasiões pela Junta de Freguesia, junto da GNR.
Já o estacionamento no Bairro das Torres, na zona dos cafés, assume contornos mais complicados. No entanto, no início da Rua do Monte existe um terreno que podia ser aproveitado para estacionamento. Mas, também é verdade que a solução apontada de estacionamento na Avenida de Santiago, nem sempre bem aproveitado, parece-me uma boa solução, havendo para tal alguma sensibilização junto dos automobilistas.
A situação da circulação do trânsito, com um sinal obrigatório, que dá acesso ao Largo do Coreto, no Bairro da Atalaia Norte, não estou de acordo com ele. Esta foi uma medida adoptada no mandato anterior, que respeito, tendo em conta que foi permitido construir pelo menos uma garagem no início da rua.
Embora haja quem omita, ou tente desvalorizar o que se tem feito, como se sabe, o Bairro Atalaia Norte / Sul, está integrado nas parcerias para a regeneração urbana da cidade, pelo que vai ser requalificado. Entre as intervenções a executar, está a criação de estacionamento na periferia do Bairro Atalaia Norte. Quando tal acontecer, como se sabe terá que ser até 2011, deveríamos rever a situação da circulação dentro do Bairro. No interior dos Bairros Atalaia Sul e Pôr-do-Sol, está decidido, que somente terão circulação de veículos de emergência.
Não fiquei alheio à proposta da utilização da bicicleta para nos deslocarmos na nossa cidade. A rede ciclável interna da cidade, integrada igualmente nos projectos da regeneração urbana, posso adiantar que vai ter cerca de 10 km. Informar também que a Junta de Freguesia de Santo André, candidatou-se ao PROVER, cujo promotor é o ICNB, tendo em vista a qualificação da Reserva Natural da Lagoa de Santo André e da Sancha. Entre as várias propostas da candidatura, surge uma eco via, que vai fazer ligação à ciclo via interna da cidade, indo no sentido da Praia do Porto das Carretas, atravessando a Reserva até Monte do Paio, ligando à ciclo via existente Brescos / Costa de Santo André. Esperamos que esta candidatura seja também aprovada.
Como facilmente se verifica, há muito trabalho em marcha. E não é por ser ano de eleições que se deve acelerar ou travar. Lembro que o mandato ainda não terminou e que estamos a trabalhar desde o primeiro dia, ao serviço da causa pública, com empenho, vontade e honestidade.

Com os melhores cumprimentos
Jaime Cáceres

Espaço do João disse...

Já por mais deuma vez, alertei em sessão camarária o assunto. Mas para não molestar os eleitores... nada se faz. Emcomtramos muitas vezes espsaços destinados ás viaturas completamente levres e os popós estacionados dio outro lado da rua. Veja-se o caso da rua em frente ao centro de saúde. Também na avenida Manuel da Fonseca, passa-se a mesma coisa. Em frente ao Stand Os Putos, já se arranjaram os jardins, mas continuam a usurpar o espaço destinado aos mesmos. Até aquele pequeno troço de ciclovia está a ser abusivamente usado. Será que haverá interesses por detrás desta situação?

Berto disse...

Sr Jaime Cáceres … antes de mais agradeço o seu comentário. Esta sua atitude demonstra que é uma pessoa que sabe ouvir e não tem medo de dar respostas, mesmo que estas decorram na praça pública virtual. Apesar dos comentários nem sempre serem os mais favoráveis, eles revelam uma coisa: o interesse e o sentimento que existe por esta Cidade. E é por isso que elogio a sua atitude voluntária em não virar a cara ao confronto de ideias. Isso revela muita coisa ...

Prosseguindo ...

O problema do estacionamento abusivo em Santo André já decorre à alguns anos. O caso do Bairro dos Serrotes precisa de ser resolvido imediatamente. Sugiro que não se começe pela via mais fácil, que é a repressão. Devemos, em primeiro lugar, apelar ao bom senso das pessoas. Neste sentido, concordo com o que o Sr A. Guimarães, quando ele diz o seguinte: “A Junta de Freguesia podia começar por colocar folhetos nos pára-brisas dos carros mal estacionados, a alertar os proprietários para o erro que estão a cometer. Se mesmo assim a pessoas insistirem na falta de civismo, então a GNR tinha que começar a intervir.”

Relativamente ao outros Bairros, julgo que se deveria aplicar o mesmo remédio. Falar com as pessoas ... tentar perceber o lado delas e, mediante o resultado desse intercâmbio, adoptar as medidas necessárias para corrigir o problema.

A teoria está toda certa, mas o que é tradição neste pais é não passar das palavras aos actos.
Vivo em Lisboa à cerca de 16 anos e não tenho a mínima paciência para o caos que é esta cidade. A maior parte das pessoas que vivem em Lisboa, e que são de Santo André, têm um grande orgulho em terem crescido numa cidade onde tinham espaço para viver. Fico muito FRUSTRADO por ir à minha terra aos fins-de-semana e ver aquilo que detesto ver em Lisboa.

Em suma, deixemos as palavras e vamos passar aos actos.

Não é preciso fazer as coisas a mal.

Falemos primeiro com as pessoas para se chegar a um consenso. E este caso pode vir a ser um bom exemplo do que é o trabalho de equipa entre cidadãos e o poder político.

Cumprimentos a todos,
Berto

M4Jor disse...

A grande questão é q estamos absorvidos pela camara de santiago quando deviamos estar em sines.
tenho dito.
M4Jor

Mi6hell disse...

Grande Berto.

"Two thumbs up" para esta post do Blog.

Eu estava presente nessa noite em que tivemos essa conversa. Até apareceram algumas soluções baratas e eficazes.

Outras questão são os passeios em frente ao Bar D'Estar (e não só). Uma vergnha o estado de destruição em que os cantieros e a rua estão.

Eu que cresci ali, deixa-me triste a falta de manutenção que a nossa terra apresenta.

Para construir novo, há dinheiro, para manter o que já havia...

Estou como o Ride, tinhamos de calhar na pior Camara do Destrito.


Para qd uma ciclovia em Santo André?

Para qd um skate park em Santo André? O campeão nacional é da nossa terra, até o Cercal do Âlentejo tem um skate park!!!!

Abraço e força

Miguel Loução

Anónimo disse...

Caro M4Jor, o meu amigo não é de Santo André!
Então se nós andamos a lutar pela nossa independencia daquela "maldita" Camara de Santiago, passavamos agora para Sines.
Santo André começa a ter identidade própria.
Já tenho telefonado para as televisões que têm a mania de chamar à nossa terra Santiago do Cacém e Sines, informando do erro.
Quanto ao jovem Miguel, tens razão é só projectos e mais projectos que não passam de ante projectos, logo nos havia de calhar semelhante Câmara.
Começa a ser altura dos jovens tomarem conta do "barco" e não embarcarem em tantos projectos .

Roger disse...

O assunto aqui apresentado pelo meu caro amigo Berto parece-me pertinente e é o reflexo comportamental de uma forma de pensar cada vez mais enraizadas nas pessoas. Permitam-me então que passe a chamá-la pelo nobre e pomposo nome de “Chico Espertismo”. Este fenómeno actual e cada vez mais em voga entre nós, faz com que o que hoje nos parece uma excepção justa e compreensível, amanhã se transforme num hábito hediondo.
Para que estas palavras não pareçam meras conjecturas filosóficas ou excertos de um romance histórico vivido num tempo incerto, exemplificarei com experiencias bem reais observadas por mim.
Certo dia ao regressar a casa reparei que estava uma senhora com o seu veículo estacionado no interior de um bairro, em zona pedonal, a proceder à descarga das suas compras. Muito bem, pensei eu, acho justo que a senhora não tenha que fazer viagens intermináveis carregada com sacos de compras e que possa estacionar temporariamente o automóvel junto à sua habitação para o fazer. Qual não é o meu espanto quando a seguir ao jantar continuo a ver o mesmo automóvel estacionado no mesmo sítio. Passaram-se dias e o tal automóvel continuava teimosamente estacionado no mesmo sítio qual jumento de patas cravadas no solo decidido a não acatar as ordens de seu dono. Mais alguns dias passados e este automóvel milagrosamente tinha-se multiplicado e agora eram já três os automóveis ali estacionados. Escusado será dizer que hoje em dia esse espaço não é mais um local de lazer e passeio para as pessoas, mas sim um estacionamento para automóveis.
Este caso é apenas um de muitos que acontecem em Santo André e para o qual à que tomar atitudes e decisões à altura, ou corremos o risco de rapidamente se perder a qualidade de vida que defendemos e que temos a sorte de ter a possibilidade de possuir. Acho que o poder local tem um papel importante a desempenhar, sensibilização à população e no caso de esta não resultar então a punição, mas não há nada que desculpe o comportamento das pessoas.

Parabéns ao blog e ás pessoas que comentaram o assunto, deixam bastantes ideias para que quem de direito possa solucionar o problema!!!!!!

Rogério Bruno

M4Jor disse...

Caro anónimo!
Tem toda a razão, não sou deste santo andré, pensei que estivéssemos a debater santo andré, são paulo no brasil, peço desculpa...Ando mesmo distraido.

Quanto À demagogia da independência, nem e 2050 pode sonhar ter a camara municipal de santo andré, pois isto n é uma questão de " lutas". Assim sendo, de entre as duas opções apresentadas, sines deixa santiago a um canto. A questão é q santiago teria q ter praia, têm-na e n faz nada por isso.

Mais vale uma má decisão a uma não decisão.
Passe bem e obrigado pelos seus telefonemas, poucos somos muitos.

Anónimo disse...

Boa tarde a todos.
Será que os carros todos, são dos moradores?
Não são dos clientes do bar d´estar?
Os carros claro que estão mal parados,e o bar d´estar estará bem localizado?
Obrigado,mas é uma maneira diferente de ver as coisas

Anónimo disse...

Ola boa tarde a todos!
Sò hoje tive conhecimento deste blog e confesso que fiquei curioso.
Depois de ler com muita atenção a maioria dos comentarios que algumas pessoas aqui depositaram, relacionados ao estacionamento abosivo em Santoa Andre, concordo com todos aqueles que me parece terem sido elaborados com isencão e sem nenhuma tentativa de protagonismo nem de pré-campanhas, que não aquele que se prende com a qualidadede vida em Santo Andre.
Para essas pessoas uma palavra de apreço.
No entanto, é com alguma mágoa que constato a existencia de demagogia em excesso, por lado, e muita hipocrisia por outro.
Passo a explicar o meu ponto de vista:
No que se relaciona com a demagogia,é pena que por vez os excessos de intelectualidade que atacam algumas individualidades da nossa praça, não lhes deixe espaço para que com algum bom senso possam falar dos assuntos com toda a clarevidencia que se lhes exige uma vez que na maioria das situações ate tem uma informação e um conhecimento bem mais real das situações do que o comum dos cidadãos.
Bem sei que este é um ano eleitoral e que está na altura dos ratinhos começarem a sair do buraco.
Falarei mais,noutra ocasião,
desta demagogia e intelectualidade que me aflige e incomoda vinda de onde vem, enfim...
Continuando!
Se demagogia incomoda, a hipocrisia é aflitiva!
Eu, na minha humilde posição de municipe desta Freguesia e atento a todas estas problematicas, gostava de perguntar ás pessoas que defendem a passagem de Santo Andre para o Conselho de Sines, se por ventura tem noção do que estão a propor.
Penso que não!
A outros que propoem a criação de um Conselho ( qual seria o nome?)digo apenas perdoai-os Senhor....
Ao senhor M4Jor, quero apenas dizer-lhe que na nossa cidade foi montado equipamento para a pratica de skate que poucos dias depois da sua montagem apresentava fortes sinais de vandalização que sinceramente penso não ter sido nem a camara de santiago nem a junta de freguesia a vandalizar.
Para terminar, resta-me dizer que considero estes espaços de uma grande utilidade quando utilizados para uma discussão séria e um debate de ideias feito com bom senso, sem demagogias nem hipocrisias.
Vamos todos discutir e falar serio sobre Santo Andre.
Para quem criou o blog, PARABENS

05/04/2009
RRocha

M4Jor disse...

Sem querer particularizar diálogos, tou-me cagando bem do alto se é ano de eleições ou deixa de ser, ou se ainda o parque de skates foi vandalizado ( isto é q é demagogia) pois são todos vandalizados de norte a sul do país; é uma questão de educação da juventude, não tem a ver com santiago ou freguesia ou de sines.
Todos têm a sua opinião, ponto.
A minha é q devíamos h+a muito estar em sines, e sim conheço tb os problemas de liquidez em sines etc, mas é uma opinião de um " freguês" desdde 1980. E quem quer encaixa, quem n quer n encaixa. Agora vir defender santiago +é preciso mt esforço. Sabe por acaso, ou sabem por acaso as declocalizações de pavilhoes desportivos ou de verbas do futebol, ou ainda as questões do financiamento do liceu ( q na altura era o maior da zona sul) q foram desviados para a cidade vila fantasma de santiago? Sabem, as estimativas de que santo andré seria até à vacaria
, cidade modelo europeia, e o q aconteceu? Se Santo andré é, desde 1975 e n hou redireccionamento, para ser o centro do complexo industrial de sines, porque carga de água temos a haver com santiago? Uma vez mais n quero saber de partidos nem de eleições, mas n me façam de parvo, principalmente vi nascer santo e ver o q é hoje..n somos mais forte no turismo, temos N campeões nacionais desportivos, temos cidade modelo e estamos a reboque de uma camara, seja q presidente for, lenta. Temos a maior fatia de licenciados em todas as áreas, técnicos de calibre munidal, ninguém volta para casa..
Sei q os meus desabafos nada têm a ver com estacionamentos, mas está tudo interligado. Uns falam de estacionamento, eu falo de parques desportivos, o outro do negócio em turismo, o engº da repsol ou petrogal etc etc..

Por aqui me fico. SE n há outra solução de estacionamento, n culpem por quem paga impostos de ter q deixar o carro em cima ou em baixo. N se pode exigir qdo n se dá condições.

Espaço do João disse...

Bravo Berto.
Parece que este blog está a aquecer. No entanto teremos de deixar as palavras e ir ao cerne da questão. O trânsito nesta nossa querida Cidade de Vila Nova de Santo André, está a ficar caótico , motivado pela falta de civismo dos utentes. Verifico constantemente as maiores aberrações quer nos cidadãos quer nos condutores em geral. Sou apologista que havia de haver um levantamento de todas estas anomalias e depois criar sinalização adequada.Após a devida sinalização, a mão pesada das autoridades. Quanto a pertencermos a Santiago ou Sines, não me parece grande ideia. Nós temos o que de melhor existe a sul do Tejo. Praias belíssimas, um bom pulmão verde, terreno para crescer mas, enquanto o nosso patrono for Santiago do Cacém nada se resolverá. Santiago vá tomar banho de praia a Grândola,a Sines e, se quizer a Santo André. Somos maiores e vacinados. Reparem que em termos de infra-estruturas não temos mais do que aquelas deixadas pelo G.A.S. Deem-nos autonomia ou independência de Santiago,pois outras cidades mais pequenas do que a nossa vivem e, não deixam de ter o seu estatuto.Já tivemos o terreno para o cemitério, visto o da Aldeia estar a rebentar pelas costuras, nunca mais se ouviu falar dele. Por falar em cemitétio,e alguma vez for executado , não se esqueçam do crematório. Não temos sede de junta de Freguesia mas sim uma delegação,temos um acesso ao hospital que só para carros de bestas, pois nem bermas tem para peões, constroi-se um pontão em betão perto da fonte de Baleizão que não dá saída para ninguém, faltam acessos para deficientes motores em quase toda a cidade,as passagens para peões quase não se veem, faz-se uma rotunda que não dá para circular um autocarro de passageiros, destroi-se o património cultural e não se fala nele. Arre porra que é demais... Fique Santiago quietinho onde está e deixe-nos governar á vontade, pois sabemos muito bem o que queremos e, para onde irmos.

Berto disse...

Caros comentadores, em primeiro lugar agradeço todos os comentários, mas gostaria de relembrar que o tópico da discussão é o “Estacionamento abusivo em Santo André”, e não a pertença desta Freguesia ao Concelho de Santiago ou de Sines. Este tema poderá um dia vir a ser debatido neste blogue.

Aproveito ainda para apelar - palavra bastante utilizada pelo Presidente da República ;-) - para que os comentários não incluam palavras impróprias, não adequadas ao nível que se pretende para esta discussão.

Cumprimentos a todos,
Berto

A. Costa disse...

Olá a Todos,

Soube hoje da existência deste blog. Parabéns a quem o fez. Relativamente ao assunto, este diz-me muito porque sou uma das pessoas que estaciona, melhor ainda, estacionava o carro no passeio. Fazia-o porque todos o fazem e também por algum comodismo, e nunca pensei realmente que não o devia fazer. O Berto tem razão quando dá o exemplo de Lisboa. Aquilo é um caos para podermos circular e, pior ainda, os passeios estão repletos de automóveis mal estacionados. Temos que fazer alguns sacrifícios para que Santo André continue a ser uma Cidade com elevados padrões de qualidade de vida. Gostava também que os restantes moradores deste bairro dos serrotes fizessem o mesmo. Basta procurar e conseguem encontrar lugar para estacionar, mesmo que não seja perto de casa.

Cumprimentos
Alex. Costa

Anónimo disse...

Finalmente, começamos a entender-nos e está estabelecido o diálogo.
Já agora solicito ao administrador do blog que faça, se o entender, uma votação com três perguntas:
Se continuavamos a pertencer a Santiago, se deviamos ser autonomos e se deviamos pertencer a Sines.
O desafio fica feito.

Berto disse...

Caro Anónimo,

Fica aqui o compromisso de que irei colocar essa questão num próximo post. Irei igualmente incluir um quadro de votação com algumas questões relacionadas com o tema que indicou.

Relativamente ao tema do Estacionamento ... gostava de ver sugeridas algumas alternativas para se resolver o problema. Ponham a imaginação a funcionar! Dêem opinião com soluções.

Cumprimentos a todos,
Berto

Anónimo disse...

Proponho que continuemos focados na questão do estacionamento, mantendo-a em aberto até que alguém tome uma decisão. A matéria até parece de simples resolução. Segundo o Jaime Cáceres terá a ver com falta de Autoridade. Eu julgava que os nossos representantes Autárquicos tinham contactos regulares com as Forças de Segurança, onde este e outros assuntos da vida dos Cidadãos eram objecto de reflexão.Estarei enganado
Será preciso um acontecimento grave num espaço de estacionamento inadequado para que haja reacção?
Porque que é só reagimos, em vez de agirmos?
Queremos ou não uma Cidade com elevados padrões de comportamento?
Aos meus companheiros de escrita deixo os meus cumprimentos pelos contributos

Eduardo Guita

Anónimo disse...

Proponho que continuemos focados na questão do estacionamento, mantendo-a em aberto até que alguém tome uma decisão. A matéria até parece de simples resolução. Segundo o Jaime Cáceres terá a ver com falta de Autoridade. Eu julgava que os nossos representantes Autárquicos tinham contactos regulares com as Forças de Segurança, onde este e outros assuntos da vida dos Cidadãos eram objecto de reflexão.Estarei enganado?
Será preciso um acontecimento grave num espaço de estacionamento inadequado para que haja reacção?
Porque que é que só reagimos, em vez de agirmos?
Queremos ou não uma Cidade com elevados padrões de comportamento?
Aos meus companheiros de escrita deixo os meus cumprimentos pelos contributos

Este texto substituí o anterior devido a dois pequenos lapsos. Para que tudo fique claro. As minhas desculpas. Obrigado

eduardo guita

Rogério disse...

O problema é que para as pessoas já não se trata de uma situação de estacionamento indevido, mas sim a de colocar o carro nas suas garagens privadas!
Acho que a junta deve tomar a primeira medida, que será a de colocar avisos nos veículos dos infractores a alertar para o abuso que se está a verificar, se não houver alteração a esse comportamento, a polícia que seja chamada para cumprir o seu dever!
Acho que a resolução é bastante simples!
A mais complicada e que requer força e vontade política, é a de criar alternativas, ou seja, mais estacionamentos nestas zonas em que se registam estes abusos.

Sérgio Peredo disse...

Ao Sr "Anónimo" Domingo, Abril 05, 2009 1:05:00 PM

Levantou a questão se os carros mal estacionados eram dos frequentadores do bar.
Estou em completo desacordo com tal afirmação e passo a explicar:

Cresci no Bairro dos Serrotes e sei do que falo. Convido o "Sr Anónimo" que atribui ao fenómeno ao Bar a passar durante a manhã, bem cedo, ou à noite durante a semana, quando o bar se encontra encerrado e veja se lá estão os carros ou não.

Quem é do Bairro sabe muitíssimo bem que 80 ou 90% dos carros que ali se encontram são dos moradores, e que se alguns dos os frequentadores do bar o fazem é por seguir o mau exemplo proporcionado pelos moradores.

Acrescento ainda que resido um pouco mais acima e acontece o mesmo fenómeno e com muito menos justificação. E não é devido a nenhum bar. É por puro comodismo.

Na localização indicada, é um facto que o estacionamento não abunda. Mas também ninguém está para andar 50m. É esta a questão.
O (mau) habito é tanto que já nem procuram estacionamento. Vão directos para cima do passeio.
Quanto à localização do bar em si, acho que nem vale a pena responder. Nem é esse o cerne da questão. O tema é o estacionamento abusivo. E isso passa-se no bairro inteiro, não apenas ali. Atribuir o Bar como co-responsável pelo fenómeno é simplesmente tapar o sol com a peneira e não querer ver a realidade. É assobiar para o lado e justificar os nossos erros com factores subjectivos.

Eu normalmente vou a pé para o bar. Mas se por algum motivo levar o carro arranjo sempre, repito sempre lugar nas imediações e sem ser em cima do passeio.

E para comprovarem o que afirmo, basta passar nessa zona, com o mencionado bar encerrado e vejam se lá existem carros ou não. Estão lá a maioria deles podem ter a certeza.

Sei que este blog é um espaço de opinião e todos têm direito a sua. Respeito isso. Mas não acho justo justificar e confundir maus hábitos com bares, lojas etc etc. Na porta desses espaços comerciais não está a indicar que os seus utentes devem estacionar em cima do passeio pois não?!

É que um destes dias é necessário ir uma ambulância ou outro veículo de emergência junto a um destes prédios e não pode.
Nenhum estacionamento em cima do passeio se justifica excepto nos casos de cargas/descargas.

Comodismo e distorcida noção de civismo ou cidadania. É disto que se trata e nada mais...

PS: Berto, parabéns pelo tema e pela iniciativa deste blog.

Cumprimentos a todos e em especial ao Ride, Roger, Loução, Berto...

Sérgio P.

Tânia Correia disse...

É tudo certo o que aqui é referido. Todos têm razão em nos queixar-mos da falta de civismo e da falta de estacionamento.
Até é uma questão de fácil resolução, porque felizmente Santo André ainda tem espaço.
No Bairro dos Serrotes, os locais assinalados no mapa já resolviam qualquer coisinha. Só uma correcção, a linha vermelha mais pequena junto das vivendas, não tem distancia suficiente entre as 2 curvas para poder "albergar" estacionamento.
Outra coisa temos que ter em conta. Quando Santo André foi projectado, havia no máximo um automovel por familia, hoje em dia já existem 2 ou 3, se não mais, agravando assim o problema.
Também há outra factor, que se pende com o comodismo das pessoas, que parece que têm medo de gastar um bocadinho mais de sola dos sapatos e fazer mais uns metro para chegar a porta de casa.
Esperamos uma resolução
Bjs
Tânia Correia

Sérgio disse...

Olá a todos,

Segundo soube, a Junta andou a distribuir panfletos a alertar para esta questão dos carros em cima do passeio.
Não sei divulgou nos bairros todos, se nos bairros problemáticos ou se apenas nos Serrotes.

Agora é que eu quero ver os resultados...

O meu palpite é que tudo ficará na mesma. E não me parece que em vésperas de eleições, a GNR lá passe e multe os prevaricadores.

Adiante,
O principal está feito. O "fenómeno" está divulgado, graças a este Blog.

Foi uma óptima ideia divulgar este assunto, primeiro neste espaço, depois através de panfletos. Assim fica toda a população inteirada sobre estes abusos e agora, a grande maioria, passará censurar este comportamento comodista e desrespeitador.

Excelente!!!

O aviso foi feito de forma cívica e amigável. A partir daqui, é multar quem prevaricar.

Andem 50 metros que de certeza encontrarão lugar. Carros em cima do passeio? Apenas cargas/descargas...

Cumprimentos,
Sérgio P.

Anónimo disse...

A Junta de Freguesia de Santo André remeteu um comunicado sobre a estacionamento abusivo no Bairro dos Serrotes. Espero que o mesmo tenha sido feito a todos os outros Bairros. Trata-se de mais um comunicado. Faço votos que este tenha a sorte que os outros não tiveram.
Não sei qual a data de referência, o comunicado não o diz, nem o prazo a partir do qual a Lei será aplicada, nem sei se será. A experiência anterior é desanimadora.
Será assim tão difícil por ordem nisto? Se não é possível tratar deste casos, simples, o que podemos esperar dos mais difíceis?. Depois, que tal se fossem marcados todos os espaços de estacionamento?.
Cump.
Eduardo Guita

Anónimo disse...

Pequenas sugestões, exequíveis, para melhorar a nossa Comunidade;

- Colocação de avisos, pode ser em banda desenhada, de que o lixo separado deve ser colcado dentro e não ao lado dos contentores

- Mudar a tinta com que se pintam as passadeiras para os peões. Deve haver tinta mais resistente.

- Os camiões-tanque e os autocarros de passageiros podem parquear dentro do perímetro urbano? Será seguro?

É preciso por os slogans em pratica

Obs-o estacionamento continua a ser feito onde não se deve.

Cump. eduardo guita